3 de novembro de 2017

Chineses enfrentam longas filas em Pequim para comprar novo modelo do iPhone

Primeiro cliente a comprar o iPhone X em Pequim (Foto: REUTERS/Damir Sagolj)

Primeiro cliente a comprar o iPhone X em Pequim (Foto: REUTERS/Damir Sagolj)

Dezenas de pessoas se amontoaram desde as primeiras horas da manhã desta sexta-feira (3) na porta da principal loja da Apple, em Pequim (China), para conseguir um dos primeiros iPhone X. O novo smartphone da empresa começou a ser vendido em mais de 55 países.

O primeiro cliente que conseguiu comprar o novo modelo, depois de reservar pela da internet e aguardar mais de duas horas na fila, entrou na loja vestindo uma camisa com a imagem do novo iPhone X e foi aplaudido por funcionários da Apple.

Display do iPhone X não tem bordas e ocupa toda a tela, eliminando o botão 'home' (Foto: Divulgação)

Display do iPhone X não tem bordas e ocupa toda a tela, eliminando o botão ‘home’ (Foto: Divulgação)

“[Estes telefones] são parte da minha vida. Talvez seja apenas um hábito ou algo parecido de mudar de iPhone a cada ano”, disse o cliente, afirmando se sentir um “sortudo” por ter sido o primeiro a conseguir um destes desejados modelos, o mais caro lançado até agora pela Apple. Na China, será vendido a partir de 8.388 iuanes (US$ 1.256).

“Foi muito emocionante conseguir o novo iPhone”, disse à Agência Efe, Tao, um morador de Pequim que coleciona todos os modelos lançados até agora pela empresa.

O que mais lhe atrai desta nova versão, diz, é o design. Para ele, os últimos modelos eram muito similares, por isso “estava um pouco cansado” de sua aparência.

Ele se mostrou fascinado pela tela que abrange praticamente toda a superfície frontal, minimizando quadros e eliminando o botão de início.

“Amo esta empresa, seu design, suas idéias, Steve Jobs…”, confessa Tao, que, apesar do frio, esperou impaciente na fila desde às 5h30 (horário local, 19h30 de Brasília, quinta-feira) para ser um dos primeiros a ter este novo iPhone em suas mãos.

O gigante tecnológico espera que este novo lançamento permita recuperar suas vendas na China, onde, nos últimos anos, perdeu participação no mercado, com o crescimento de outras empresas locais como OPPO, Huawei ou Vivo, que no ano passado lhe superaram em vendas dentro do país.

Fonte: g1.globo.com

Comentários

comentários