22 de fevereiro de 2018

Conselho de Segurança da ONU planeja votar trégua na Síria nesta quinta-feira

O Conselho de Segurança da ONU deve votar nesta quinta-feira (22) um projeto de resolução que pede um cessar-fogo de 30 dias na Síria, para permitir a entrada de ajuda humanitária e evacuações médicas, informaram diplomatas nesta quarta (21).

Suécia e Kuwait, que fizeram a proposta, solicitaram uma votação “o quanto antes possível”, informou a missão de Estocolmo.

A Rússia havia proposto discutir na quinta a violência que atinge o enclave rebelde da Guta Oriental na Síria, anunciou mais cedo nesta quarta o embaixador russo, Vassily Nebenzia.

Uma reunião aberta permitiria a todas as partes “apresentar sua visão, seu entendimento sobre a situação e propor formas de sair deste cenário”, disse o diplomata ao Conselho. “Penso que seja necessário dada a preocupação que ouvimos hoje”, acrescentou. “Há terroristas lá que o Exército sírio combate e estes terroristas estão bombardeando Damasco”, afirmou.

A embaixadora americana, Nikki Haley, reagiu afirmando que “é simplesmente ridículo afirmar que estes ataques a civis tenham algo a ver com o combate ao terrorismo”.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, pediu um cessar-fogo imediato na Guta Oriental, um enclave rebelde onde, disse, cerca de 400 mil civis “vivem o inferno na terra” devido aos ataques aéreos do governo sírio na zona.

“Meu pedido aos envolvidos é a suspensão imediata de todas as atividades de guerra na Guta Oriental, permitindo que a ajuda humanitária chegue aos que a necessitam”, declarou Guterres ao Conselho de Segurança. “Esta é uma tragédia humana que ocorre diante de nossos olhos e acho que não podemos deixar passar as coisas deste modo horrendo”, acrescentou.

Guterres indicou que tem apoiado esforços no Conselho de Segurança para acordar um projeto de resolução que peça 30 dias de cessar-fogo na Síria para permitir a entrada de ajuda humanitária e evacuações médicas.

Suécia e Kuwait apresentaram a medida ao Conselho em 9 de fevereiro, mas as negociações foram difíceis, segundo diplomatas, devido às objeções da Rússia, que apoia o governo sírio em sua ofensiva contra rebeldes na região. “Apoio totalmente esse esforço, mas acho que a Guta Oriental não pode esperar”, declarou Guterres.

Ferido é socorrido pelo grupo de defesa civil sírio, conhecido como ‘Capacetes Brancos’, na quarta-feira (21) (Foto: Syrian Civil Defense White Helmets via AP)

Fonte: g1.globo.com

Comentários

comentários